“Lemon Meringue”

Annie watched the flaming discussion, suddenly acquiring that aggravating certainty of never having seen anything more stupid or boring in her entire life. On the twenty-something inches flat-screen, three couples were exposing their relationship issues, any platitudes concerning the matters of jealousy and lack of communication, regurgitated one after another. The way the “audience” interacted with the “guests’, spitting their irritant and obvious suggestions, the face of each Jane Sixpack shouting among the abject mass were, to Annie, the epitome of something about the world around her, something she find despicable.

Nonetheless, she watched the God-damned thing until the last line of credits disappeared quickly at the top of the screen. And the show host. The little woman for whom not even endless hours of makeup were enough to hide the mediocre looks, or the boring eyes or the stupidity that was highlighted by every line read from her condescending and – even more – odious closing speech. Jesus Christ that show host. Annie felt she had enough energy in herself to jump across the screen and beat that woman to death.

But she couldn’t get herself to raise the remote and press the turnoff button.

For a relationship to work out, it is important that man and woman respect each other’s liberties, so he or she can have his or her own respected in return”

– Fuck it, this doesn’t even make sense. – said Annie to the objects in her living room.

Jealousy can be seen as a sign of desire and valorization, but when it is excessive it can be fatal for any relationship.”

– And this idiot still needs a teleprompter.

Annie closed her eyes and sighed. Before the next feature was announced, providing more food to the boredom monster who mounted over her body like a maniac, the indefectible popping sound brought darkness to the screen.

The room was filled with refreshing silence.

Slightly more optimistic, Annie recalled that sensation as being quite similar to a late-night forced visit at one of Poe’s repugnant bathrooms. All that repulsive, disgusting product of many hours of (uni)sex activities, execrably displaying itself in the inevitably clogged toilet, suddenly being flushed down the pipes with purifying violence by a precise pull of the chain.

Clean waters, for now. Whatever comes next is on me.”

She laughed. First at the analogy itself, then at those many other moments she remembered, one after another, one bringing the other along by its filthy arms, all of them having the old Poe’s as background. Annie considered missing that place, but pushed the pillow against her face and threatened to kill herself, before she did it.

That place is a piece of shit.” – she thought. “And it is with honors, even by the standards of other Boston’s shitty pubs.” She only went there for the money and the free beer she got in every gig, but especially for the money. When it came down to her personal amusement, Annie always preferred the coziness of the apartments, houses and garages, where attendance to parties were paid with nothing but her own presence – a demand from good friends who would also be there.

Annie tried to miss those friends for a little bit, but she couldn’t. She couldn’t even remember the last time she was able to.

..You’ve to get yourself together.. You’ve got stuck in a moment, and now you can’t get out of it…” – the tune was heard from across the alley. As it was common for the neighborhood she lived in, all of Annie’s apartment’s windows faced the same direction. In this case, West, where a narrow alley ran between her building and the next. Luckily for her, there was something to compensate the occasional screaming of victims and the disturbance of the drug addicts down below. Right in front of her own, there was a window to the bedroom where resided a prime example of male beauty.

He had a broad masculine face, occasionally stained by a evening shade; thin, bulged lips above a charming dimpled chin; and a streamlined nose surrounded by a pair of magnificent brown eyes. Opus magnum, framed by fair and dark hair. His white skin had a slight golden hue that Annie could tell was natural, and not the product of hours under the fake sunlight of some downtown clinic. Annie could also tell he had an athletic body. Not just because she peeked at his window while he was dressing up in the morning a couple of times, but because it was noticeable even under the several layers of clothing – like that elegant black suit he usually wore on Fridays.

The music was coming out of his window, across the alley, reaching Annie’s ears with the same clarity with which, in so many nights, came the painful moans of pleasure of him and his boyfriend. Those nights she opened her window completely, and didn’t sleep until they were done, fantasizing things, things that were almost never sexual. When her own boyfriend visited her, she also left her windows wide open, with no regard to how much cold it was, trying to repay (with lots of interest) the melody of orgasmic screams and obscenities.

Foolish Johnny has never suspected, although he considered a little bit strange the level of Annie’s transformation, now that her father no longer occupied the room next to hers. He hasn’t even realized the coincidence between her sudden desires to “ride him like a Thouroughbred” – as he used to brag about with his bar buddies – and the fact they were always in her bedroom, not in his or anywhere else. Most of all, he has never noticed the quick peeks of Annie at the window as they were doing it.

His window is also open. Very open. What are you doing there in the dark, you dirty little boy? Aren’t you cold?” That was Annie’s game, her small toy. It was a friendly, silent (although quite noisy) dispute between herself and her anonymous neighbor. Sometimes, when in the following days, it happened that her eyes briefly encountered his, she had the feeling of certain malice. It was quick and from a distance, but it was there. In a particular occasion, she passed by him while going into her building and felt as she was been observed. Then, she heard a tricky chuckle, but she didn’t turn back.

For some time, Annie could not help but to wonder. “What if? The image struck her mind; she was over him, riding him like a Thoroughbred, glancing through his window towards her own, and beyond it, into her apartment, and the closed door Silly Johnny was knocking insistently, with no answer.

Annie hadn’t had that kind of thoughts in a long time. She and her lovely stranger ran side-by-side in their hot rods for a long section of the road, but now she has left him way, way behind. Just one more aspect of Annie Daniels’ life; among Tuesday’s daytime talkshows, Poe’s clogged toilets, Stupid Johnny, his friends, her friends, families and thoughts, all of which had become inexorably, irremediably, uninteresting.

Nonetheless, she tried to preserve her sweetness, despite all the bitter.

Don’t say that later will be better, Now you’re stuck in a moment, And you can’t get out of it…”

– Amen, Bono. – said Annie, jumping off the bed before the next verse.

She has always hated U2, anyway.

“Robô-Guerreiro”

Eu sou um robô-guerreiro.

Eu amo lutar.

Não sei dizer por que fui criado assim, apenas sei que amo lutar. Antigamente robôs não podiam amar. Eram apenas ferramentas; caixas de aço com braços e pernas e cabeça que faziam aquilo que eram programados para fazer. Mas não podiam amar. Isso foi há muito tempo, quando os criadores ainda eram primitivos. Eu e aqueles do meu tempo sabemos amar, pois nossa estrutura de processamento de dados foi desenvolvida como uma cópia perfeita do cérebro humano. Somos a imagem e semelhança dos criadores, diferentes apenas na composição: fios, metal e óleo ao invés de veias, carne e sangue; mas idênticos na capacidade de amar. E meus criadores amavam lutar.

Já faz muito tempo que lutei pela última vez; que amei pela última vez. Milênios atrás o mundo era um lugar cheio de estrondos e triunfos e derrotas, pois nossos criadores guerreavam uns contra os outros, e robôs-guerreiros como eu eram os soldados de infantaria. Por séculos, não faltavam batalhas para combater. Então, quando parecia que nenhum dos lados da guerra venceria, foi decidido que todos haveriam de perder. Vieram epidemias que os frágeis corpos dos criadores não conseguiam combater; elas trouxeram morte e desespero. Armas que não deveriam jamais serem utilizadas assim o foram, e um vento mortal, carregado de radiação, soprou pelo mundo.

Os criadores se foram.

Mas nós continuamos aqui, pois os criadores haviam nos feito sustentáveis pela radiação ultravioleta, e resistentes à tudo aquilo que era fatal para eles mesmos.

Exceto ao amor.

O tempo passou. Aqueles mais antigos e que não conheciam o amor, as ferramentas, logo pereceram. Não em uma bola de fogo incandescente, em meio ao combate, mas como uma lâmpada desligada por um interruptor. Sem os criadores para lhes dizer o que fazer, perderam o propósito. Apenas pararam e esperaram, até que a ferrugem acumulou-se em suas engrenagens e a poeira cobriu seu metal, transfigurando-os em mais adornos para a paisagem inerte de concreto e ferro retorcido.

Já aqueles como eu, não. Não sabíamos o que era a fome que matou tantos bilhões de nossos criadores, mas conhecer o amor nos fazia famintos por ele ainda assim. Este desejo nos fazia seguir em frente e continuar procurando uma maneira de satisfazê-lo, transformando-o assim em nosso propósito. Movimento contínuo. Energia infinita. Para os criadores sempre um enigma inexorável, e no entanto é tão óbvio.

Amor sempre fora, ao mesmo tempo, seu próprio combustível e comburente.

Assim, aqueles que amavam lutar resistiram por mais tempo.

Lutar por amor. Amor por lutar.

Refiro-me a nós, robôs-guerreiros, não aos criadores, embora a lógica determine que devesse ser assim para eles também. Em algum momento da história os criadores descobriram que um robô era mais eficiente naquilo que era criado para fazer se o fizesse não por causa de comandos eletrônicos, mas por amor. Não sabiam explicar o porquê. Nunca souberam. Ainda assim, nos fizeram capazes de amar.

No entanto, nem todos os robôs amavam lutar. Antes da guerra, robôs eram necessários aos humanos em todos os campos de suas vidas, então eram feitos para amar outras coisas: fabricar ferramentas, pilotar veículos, gerenciar finanças. Havia muitos robôs. Em um dia típico, em uma rua como esta que agora percorro, uma avenida central de uma grande metrópole, haveria no mínimo três centenas de nós, engajados nas mais diferentes tarefas. Alguns eram bípedes como eu e mais parecidos com os criadores, outros possuíam formas inusitadas, com muitas pernas cheias de articulações para se deslocarem em áreas íngremes, ou mesmo perna nenhuma, mas velozes esteiras deslizando sob seus corpos poliedrais. Até mesmo as fachadas envidraçadas dos prédios podiam ser consideradas gigantescos robôs bidimensionais, pois sua cobertura de polímeros nanométricos era inteligente, e capaz de absorver a energia solar que lhes banhava durante o dia e utilizá-la para alimentar a si mesmos e a cidade. Também era capaz de transmutar sua própria superfície, inundando de cores os bilhões de pontos prateados, produzindo imagens e movimento, como enormes painéis a convidar os criadores para investir cada vez mais em tecnologia robótica. Éramos muitos, e dividíamos com os criadores o espaço das calçadas repletas de hologramas publicitários, e com seus veículos o fluxo plainante nas ruas de asfalto magnetizado.

Hoje as fachadas, as ruas e as calçadas estão desligadas. Os polímeros que cobriam os prédios oxidaram e morreram. A silhueta da cidade, outrora uma cordilheira de torres de prata luminosa, perdeu todo seu fulgor. Os arranha-céus tornaram-se enormes pilares de ferro avermelhado. As ruas estavam entulhadas com as carcaças de sua antiga população de veículos, parados há séculos no meio do caminho até onde quer que estivessem indo. As calçadas estão silenciosas, não há mais criadores correndo apressados de um lado para o outro, nem parados, contemplando as vitrines do comércio, agora nada além de janelas quebradas com vista para a poeira e o abandono. Não há mais robôs.

Exceto um.

Faz quatro décadas que o encontrei pela última vez. O robô-professor. Depois de tanto tempo, tornei a captar seus movimentos. Três dias atrás, quando passei pelo que restara de um antigo entreposto de observação e entrei na cidade. Agora, tenho a certeza de que ele está exatamente ali, escondido em algum lugar da construção à minha frente. Embora o bombardeio que atingiu a cidade tenha devastado todo este quarteirão, o prédio ainda resiste. Embora sua seção norte tenha desmoronado, indo se encontrar com o asfalto despedaçado da rua vizinha, ele continua de pé.

Este prédio foi todo pintado de azul, um dia. Sua fachada não era um espelho inteligente como nos grandes edifícios, mas uma camada de tijolos, coberta por plasma de alvenaria e tinta. Consigo identificar traços moleculares do tingimento acrílico, muito embora esteja agora acinzentado como o resto daquela rua, daquele bairro, daquela cidade. Não havia mais cores nas metrópoles, nem o verde das árvores no campo, nem o azul do ozônio do céu. Tudo estava esbranquiçado, cinzento, ou negro. Se algum criador do século XXI despertasse aqui hoje, pensaria estar na Lua, não na Terra.

Há uma lua no chão do prédio em ruínas. Uma pequena esfera cinza, salientando-se na grossa camada de poeira que cobre o chão. Antes, fazia parte de um modelo completo do sistema solar que pendia do teto, mas desprendera-se e caíra. Muito tempo atrás, este lugar era uma escola. Pais e mães estacionavam seus carros diante de seus portões, e despediam-se das crianças que corriam risonhas, de encontro a seus amigos e professores. Lembro do som que uma criança fazia ao rir. Hoje não há mais crianças, nem risadas. A destruição que se abatera ali não foi capaz de obliterar aquelas diminutas bolas de isopor que, provavelmente, haviam sido feitas pelas crianças que frequentavam a escola. Talvez, o robô cuja radiação eletromagnética eu agora capto as havia ajudado.

Eu já sei onde ele está escondido.

Ele tentou ser silencioso, mas não foi o bastante. O peso de seu pé metálico fraturou um dos azulejos apodrecidos pela umidade no andar superior, e eu escutei. Imediatamente, um pulso elétrico emanou de minha bateria central, espalhando-se por minhas engrenagens. Sinto-o como algo quente e frio, algo bom, em expectativa de algo ainda melhor. Antes, experimentava esta sensação o tempo todo, a cada adversário que defrontava em batalha, e cada um deles era único, como cada amor dos criadores. Há anos, porém, que não sinto esta energia estimulante, desde que encontrei este robô pela última vez.

Desde que o tive em minha mira, e ele escapou.

Daquela última vez, também havia acontecido em uma escola. Daquela última vez, ele também tentara se esconder no andar superior, e também cometera o mesmo erro. Este robô foi, no passado, um professor de crianças, criado para mantê-las seguras enquanto os pais passavam o dia fora, trabalhando. Ele ama crianças. Foi criado para cuidar delas, educá-las, mantê-las saudáveis, limpas e organizadas, quando seus pais não podiam. Assim, do mesmo modo como fui criado para amar a guerra, ele foi criado para amar crianças.

Por isso se esconde na escola. Certamente, espera um dia encontrar uma criança da qual possa cuidar, a qual possa amar. Os criadores costumavam dizer que era melhor amar e perder do que jamais ter amado, mas isto foi em uma época em que cada novo dia lhes dava uma chance de amar outra vez. Hoje não é mais assim. Ainda que este robô-professor conseguisse encontrar uma criança e dela pudesse cuidar, logo ela cresceria, se tornaria um adulto, e ele não a amaria mais. E se aquela fosse a última criança do mundo, então ele jamais amaria outra vez. Seu propósito se perderia, e ele seria um com as ruínas, por toda eternidade.

Gostaria de dizer tudo isso a ele, mas não posso. Sou um robô-guerreiro, não tenho voz. Antes, quando existiam outros como eu, nos comunicávamos por ondas de rádio, sem qualquer som. Por isso não tenho voz. Se houvesse algum propósito para isto, registraria, em algum lugar, as coisas que penso enquanto caminho, mesmo agora, enquanto subo a escadaria de pedra para o segundo andar da escola, atravesso o corredor de paredes demolidas e alcanço o cômodo no qual o robô-professor está escondido.

Há pedaços de carteiras escolares espalhadas pelo chão, e uma pilha delas amontoadas um dos cantos da sala. A lousa branca despencara da parede, mas os últimos registros gravados em tinta de marcador azul ainda são visíveis. “Front norte”, “flanco”, “artilharia” – dizem as palavras, acompanhadas de pontos identificados como “fuzileiros”, “unidades mecanizadas” e “carros de combate”, todos espalhados por um diagrama mal esquematizado daquele quarteirão. Sem dúvida a sala foi usada por um grupo de criadores, muito tempo atrás, como um centro de comando, em uma tentativa desesperada de deter o avanço de seus inimigos naquele setor da cidade. Sem dúvida não havia nenhum robô-guerreiro ao lado deles, pois em menos de um segundo eu já calculara todas as variáveis expostas na lousa, percebendo inúmeros erros estratégicos no plano que haviam traçado. Se os criadores que ali se abrigaram seguiram aquele plano, tenho absoluta certeza de que todos morreram.

Era precisamente atrás da lousa tombada que se esconde o robô-professor, tão encolhido como as articulações de seus delgados membros permitiam. Um criador chamaria este momento de irônico, afinal trata-se do último registro de um outro fatal erro estratégico. O robô-professor sabe, ele tem que saber, que será aniquilado se permanecer ali. Até um criador saberia disso. Provavelmente. Certo é que ele sabe que estou aqui. Não só pelo peso de meus pés fraturando o piso, mas pela energia irradiada de meu núcleo principal, alinhando-se em um fluxo pelos filamentos de meu organismo mecânico, iluminando as ranhuras de ventilação de meu corpo blindado, concentrando-se no propulsor do canhão acoplado em meus braços.

Sinto-me bem.

Faço mira, e um ponto de luz vermelha atinge a superfície branca da lousa, em alguma instância do malfadado plano de resistência. Ele sabe. Percebo seu movimento um milissegundo antes que o faça, tempo suficiente para executar o comando neural que dispararia o projétil eletromagnético na velocidade da luz, obliterando-o junto com a lousa e toda a seção da parede. O robô-professor precipitou seu corpo esguio para fora do refúgio com um salto, estilhaçando o que restava da janela próxima. A bala de energia voou pelo ar um instante depois, rasgando o silêncio, súbita como uma gargalhada, sem alvo, sem objetivo, reconfigurando aquela parte da sala em uma nova ruína, transformando em éter aquele último sonho dos criadores pintado no branco da lousa.

Robôs nunca souberam sorrir.

Retorno pela escada e meu canhão energético ainda resfria, devolvendo a energia excedente de volta pelas terminações de minha couraça. Sinto o calor contraindo-se de volta a meu núcleo central, e a cada grau oscilante o irresistível ímpeto de querer mais renova-se na estrutura de meu organismo cibernético. Se ao parar pudesse fazer o tempo parar, tornando esta sensação permanente, eu pararia. Mas não posso, preciso continuar caminhando.

Combustível e comburente.

Contorno cuidadosamente a lua no chão empoeirado; um dia o robô-professor poderia retornar. Teria que retornar. Quando chego na rua, ele já alcança a esquina, correndo com suas longas pernas de aço, arrancando faíscas do asfalto e espalhando o clangor de suas engrenagens pelo ar estático da cidade. Volta-se para um lado e para o outro da encruzilhada, enfim decidindo pela direção sul. Corre, impulsionado por uma ânsia muito mais relevante que a simples sobrevivência, pois sobreviver era apenas meio para um fim. Amor. Sobreviver a mim renovara no robô-professor a esperança de um dia encontrar uma criança outra vez. Ele só teria que continuar caminhando.

Sigo até a esquina e me volto para a extensão sul da rua transversal. As marcas no asfalto são bastante nítidas. Se quisesse, poderia deslocar mais energia para minhas articulações inferiores, desenvolvendo mais velocidade que o robô-professor e alcançando-o em poucos minutos.

Ao invés disso, volto-me para o norte, e começo a caminhar.

Fazem quatro décadas que encontrei o robô-professor pela última vez.

Fazem quatro séculos que o encontrei pela primeira vez.

É sempre o mesmo. Ruínas diferentes de cidades diferentes de países diferentes, mas ele é sempre o mesmo. De onde a estrada termina no deserto até onde ela termina nas planícies nivosas. Encontro o oceano de onde o sol se ergue, dou meia-volta, logo estou naquele onde ele se põe. Então, nossos caminhos se cruzam. Na maioria das vezes em uma escola como aquela; daí ele se esconde, eu o ataco, ele sobrevive, nós começamos a procurar outra vez. Somos tudo o que temos.

Eu sou um robô-guerreiro. Eu amo lutar.

Eu espero lutar outra vez algum dia.

Eu espero lutar outra vez.

Eu espero.

Preconceito é um direito. Discriminação, não.

Vamos imaginar por um instante que todas as leis foram abolidas, exceto os Dez Mandamentos. Agora vamos imaginar a polícia impondo o cumprimento do Decálogo.

Não matarás, não roubarás, estes são fáceis. Não trabalharás no Sábado, bem, acho que ninguém teria nada a se opor a este também. Não usarás o nome do Senhor em vão (aliás, como seria bom se o ser humano de fato fizesse uso deste com maior frequência) resultaria em uma multinha aqui e outra ali, mas nada muito problemático de se regular – inclusive eu faria questão de ajudar.

Então, chegamos a parte que interessa: Não cobiçarás a mulher do próximo. Hmmm. É, este seria bem difícil de se fazer cumprir.

E por quê? Simples: ninguém pode saber o que de fato se passa na cabeça de outra pessoa. E quer saber, isso é ótimo. Isso é liberdade.

Nesta semana a Presidenta Dilma vetou o kit gay das escolas. Eu, como pessoa do contra que sou, deixo de lado todas as ofensas dirigidas a excelentíssima durante as últimas eleições e me coloco ao seu lado com a cara mais deslavada do mundo. Palmas pra você, tia Ru.

Não que eu mesmo tenha qualquer preconceito contra gays. Muito pelo contrário. Alguns dos meus maiores (quem sabe até mesmo a maioria) ídolos são gays, tenho amigos gays que me são muito queridos, e como diria o grande (que vejam só, é gay), Lafayette, de True Blood, antes de tudo sou um capitalista e aqui pra mim o que vale é a máxima da lei da oferta e da procura.

Ou seja, quantos mais gays, menos concorrência. Leia-se homens gays claro, pois por mais sexy que me pareça a ideia, ver o tanto de mulheres lindas e apaixonantes que curtem seu próprio time (nas palavras do sábio Jerry Seinfeld) me enche de amargura e um pouco de lascívia.

Mas não posso culpá-las. Homem é uma coisa horrorosa mesmo.

Divago.

A verdade é que existe um abismo de diferença entre preconceito e discriminação, e não cabe ao governo e ao contribuinte terem de coibir o primeiro, pois é parte de um processo educacional e de conscientização permanente, que começa em casa e é moldado por um sem número de circunstâncias imprevisíveis.

Em outras palavras, todo mundo tem preconceito contra alguma coisa. Ou melhor, todo mundo tem um conceito formado em torno de determinada ideia, que leva ao preconceito contra elementos humanos ou não que representam esta ideia.

Minha criação não permitiu a mim ter preconceitos de ordem racial ou econômica, mas possuo inúmeros preconceitos de ordem cultural. Detesto festa junina, música sertaneja, novelas. Aliás, tenho preconceito contra TV aberta de um modo geral. O conceito que eu tenho programas de auditório, Big Brother e afins me leva a interiorizar um preconceito em relação a quem vive para esse tipo de coisa.

Já tive até preconceito linguístico, mas isso foi há muito tempo. E isso é assunto pra outro post.

Tenho preconceitos de ordem religiosa também. Não em relação a religião, tema pelo qual sou apaixonado, mas por aqueles que tentam se apropriar de Deus, seja em qual forma que for, e tentam impor este seu entendimento “superior” aos demais.

(Originalmente havia incluído aqui uma pausa para xingar a Bancada Evangélica do Congresso, mas isso poderia contradizer o parágrafo seguinte, sendo assim, continuemos.)

É direito de todo ser humano ter liberdade de pensar o que quiser (inclusive cobiçar a mulher do próximo). O que não é direito do ser humano é transformar este pensamento em agressão.

É seu direito ter preconceitos pelo fato de eu ser negro, de eu gostar de música eletrônica, de eu ser neoliberal. Não importa o quanto eu goste ou não que você exerça esse direito. Ele é seu. O que se passa na sua cabeça é problema seu, não do governo, muito menos meu. E eu não quero que isto me custe dinheiro.

Não é seu direito me discriminar, me impor restrições ou me prejudicar por causa disso. Vale a velha máxima: seu direito termina onde o meu começa.

Aliás, é meu direito achar que você é um idiota (e vice-versa, claro).

É seu direito ter preconceito contra gays. Aliás, é direito seu odiá-los. Todo mundo odeia alguma coisa (sorte daqueles que não odeiam ninguém – ódio é um direito amargo de se exercer).

Não é seu direito meter-se na vida dos gays. Não é seu direito impedir que eles vivam juntos. Que eles tenham seus próprios direitos.

O preconceito é indiscutivelmente o primeiro passo para a discriminação, mas não é papel do governo antecipar-se a este processo e ensinar o que alguém deve pensar ou não, muito menos às custas de nossos impostos. É dever do governo punir a intolerância, quando esta se converte em crime. Intolerância, essa é a palavra-chave, não preconceito.

É isso o que TODOS, não só o governo, devemos ensinar, no dia a dia, na briga a briga. A tolerância, e não proponho aqui qualquer preferência para a tolerância a quem tem outra preferência sexual, quem tem outra religião, ou outra cor de pele.

Devemos simplesmente ensinar a tolerância ao que é diferente de nós mesmos, só isso.

Eu tenho imenso preconceito com os intolerantes.

.

.

.

.

.

.

E contra quem só vê filme dublado.

Cala a boca, Galvão.

Sou o pior torcedor de futebol que existe.

Não que não goste do esporte. Pelo contrário, embora não seja dos meus prediletos (Fórmula 1 é mais a minha praia), acho futebol e a paixão que ele enseja em tanta gente, em especial brasileiros, tão válidos quanto qualquer outra atividade recreativa, seja esportiva ou não (e aos malas que ficam de “futebol é o ópio do povo”, ou “que graça tem isso?” digo apenas: – Aham, senta lá). Meu problema com futebol é outro. Meu problema com futebol é o compromisso.

Pra começar, sou Botafoguense. Ou seja, já é esperado que eu não esteja muito aí pro time mesmo. Mas essa fama no fundo é um pouco injusta. Não é que Botafoguense não dê valor ao seu time, ou não se envolva por suas vitórias. Pelo menos comigo não é assim. Sou é relaxado mesmo, e confesso.

Ainda que goste de assistir às partidas, não consigo me manter interessado o suficiente pra acompanhar o time nos tantos campeonatos que disputa todo ano,  às vezes com dois jogos em uma mesma semana. Nem tenho paciência pra aturar o Galvão Bueno, aliás. Sou um torcedor extremamente eventual. Dos jogos do dia-a-dia só consigo prestar atenção naqueles decisivos. Disputa por título (ou não-rebaixamento, que é mais a cara do Botafogo) e por aí vai.

cala a boca, galvao

Talvez por isso goste tanto de Fórmula 1, ainda que não consiga me livrar do Galvão. Não se trata apenas de preferir corrida a futebol, mas pelo fato dos GPs rolarem, em média, uma vez a cada quinze dias – às vezes até mais.  Uma horinha e meia ali numa manhã preguiçosa de domingo, ganhou ganhou, perdeu perdeu, daí vambora, que é pro dia render.

Talvez por isso, também, que quando chega a época da Copa do Mundo eu me envolva tanto. Procuro saber quais são os grupos, a bagagem que cada seleção vem trazendo, quem é craque e quem é azarão. Não torço necessariamente pela seleção brasileira (mas agradeço os pontos facultativos e festas que esta proporciona), mas pelo espetáculo, pelo talento. Mesmo quando este se manifesta de maneira quaaaase imperceptível, como em joguinhos do tipo Argélia X Eslovênia – que, aliás, estou assistindo enquanto escrevo este post.

Afinal, não importa o quão pequeno e desinteressante possa ser determinada seleção, os sujeitos ali empenhados compõem sua elite nacional, e trazem  sobre os ombros a responsabilidade não de um bairro, cidade ou estado, mas de um PAÍS. E isso é bonito demais de se ver, e até onde eu vejo importante demais pra deixar passar em branco.

E o mais importante: só rola de quatro em quatro anos. Até menos, vá lá, se contarmos os torneios a nível continental. Ainda assim, pra um torcedor relapso e distraído como eu, é lucro. Algumas semaninhas ali num outono preguiçoso, ganhou ganhou, perdeu perdeu, daí vambora, que é pro ano render.

Melhor do que isso, só me livrar do Galvão por pelo menos três GPs de F1.

Já vi esse filme antes…

Muita gente, eu inclusive, reclama da atual crise criativa que vem enfrentando Hollywood. Só se ouve falar em remakes, reboots, reimaginingre– disso, re– daquilo, repetição, pra todo canto que se olha.

Mais do que nunca, originalidade parece ser um artigo de luxo por aquelas bandas. Isso, porém, não vem de agora.

Há muito tempo, de forma sutil, a indústria do cinema vem dando sinais de acreditar plentamente que, melhor do que perder tempo, e dinheiro, bolando algo inovador, é muito mais digno simplesmente pegar uma fórmula familiar, raspar o número de série e chapar em letras garrafais a identidade de sua mais nova “obra original”.

Notaram algo em comum entre os cartazes acima?

Não, não é que todos os filmes são horríveis. Tá, até são, mas não é o caso.

curtindo a vida adoidado

Curtindo a Vida Adoidado foi um dos primeiros filmes a usar do combo letras vermelhas + fundo branco. Coincidentemente, também foi um dos últimos a ter graça.

Na verdade, o que já começamos a perceber por essa minúscula amostragem aí em cima é o surgimento de certo padrão gráfico na publicidade de filmes de comédia. Reparem bem, na predominância da cor branca como background, bem como a preferência universal pela cor preta e vermelha nos títulos.

Sem falar, é claro, nas LETRAS GARRAFAIS. Afinal, não há argumento mais convincente na hora de se escolher um filme do que a visibilidade do seu pôster. Isto é, além do roteiro, direção, elenco, trailer e originalidade do pôster.

Tá certo, tá certo. Você deve estar lendo isso e me achando um sujeitinho simplesmente chato e implicante, certo?

Em primeiro lugar, como ousa, seu @*^&$/%%?!

Em segundo lugar, a coisa não para só no tamanho e cores das fontes não. Analise:

funny people

E especialmente…

Chamo essas de “variações de corpo inteiro” dentro do clichê alvirubro dos cartazes Hollywoodianos.

Em alguns casos, a coisa chega ao extremo, e é possível até vestirmos a pele de publicitário por um dia:

bringing down by the dozen

Reaproveitaram a sessão de fotos, só pode.

hmm…

13 going to 17 again

Claro que há tentativas de se contornar o chavão.

Em algumas manobras ousadas, de um vanguardismo digno dos conquistadores do século XV, alguns gênios da publicidade propuseram o uso do azul como cor secundária em suas criações.

why Kevin Smith why miss simpatia 2 imagine that

Será que existe algum conceito psicológico por trás dessa hiper-simplificação na propaganda de filmes de comédia? Ou será mera comodidade e omissão criativa por parte dos responsáveis? Ou ainda, não será isso um simples reflexo do atual estado de mediocridade (salvo raríssimas exceções) do gênero como um todo?

wedding crashers

Sério, nesse eles nem tentaram.

Fundo branco. Elenco com cara de tacho. Fonte BOLD. That’s a wrap!

Encerro aqui este breve serviço de utilidade pública (-not) do …porque têm bobagens que não cabem num tweet. Esse post foi apenas uma forma de abrir os olhos de você, usuário desocupado da internet caro leitor, pra este aspecto do cinema que é por tantos ignorado. Na certa, por não ter a menor importância.

Existem muitos outros clichês na publicidade impressa dos filmes em geral. Temos as cabeças flutuantes, o grupo em marcha, o Seth Rogen cara de idiota, etc,  e seria impossível falar de todos aqui.

Bem, possível até seria. Mas não o farei. Ponto.

FAILure do launch how to make the worst movie ever in ten days ghosts of girlfriends past

BONUS: alguém segure esse Matthew McConaughey!